quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Cartas a um jovem Terapeuta (Contardo Calligaris)


Um terapeuta mais velho e experiente envia cartas a dois terapeutas "iniciantes", esclarecendo suas dúvidas, e nos brindando com suas experiências de vida. Parece quase um romance não? Mas foi esta a forma utilizada por Contardo Calligaris para escrever este livro que fala sobre diversos temas relevantes aos que se iniciam neste campo.

Utilizando-se de uma linguagem clara, fácil e objetiva - que não deixa de ser técnica - aborda situações práticas do campo de atuação de jovens terapeutas, desde a escolha por tal profissão, até o manejo de questões emergentes em quem procura uma terapia hoje.

O método de perguntas e respostas é um grande artificio, que prende à leitura mas também faz questionar - já que as respostas são honestíssimas e diretas. O primeiro capítulo, por exemplo, é totalmente direcionado à questão da vocação pessoal para que se possa tornar um psicoterapeuta. A pergunta que surge neste momento é: o que espero de meu paciente enquanto terapeuta? Gratidão? Reconhecimento? Admiração? Responde-nos Calligaris:

Pois bem, se por alguma razão ... é importante para você se alimentar no reconhecimento e no agradecimento infinitos dos outros, então não escolha a profissão de psicoterapeuta (...) na vida social, o psicoterapeuta  não encontra nada parecido com a espécie de gratidão que, em geral, é reservado ao médico (como um agradecimento preventivo, caso acabemos em suas mãos). O psicoterapeuta encontra uma atitude ... que é uma mistura de temor com escárnio.

Além deste, aborda como temas, as ansiedades diante dos primeiros pacientes, as dificuldades no início da carreira, a responsabilidade ética de bem atender a pessoa que o busca, além de discussões acerca das diferenças entre psicoterapia e psicanálise e a crescente busca na farmacologia pela "cura" aos males que afligem atualmente a sociedade -  aliás, discute-se inclusive se alguma cura é possível, dependendo em que acepção se entende esta curta palavra.

Lembro de tê-lo lido bem no início de minha formação e achado simplesmente maravilhoso. As dúvidas expressas em suas páginas pareciam ser as minhas e não dos terapeutas anônimos por trás deste discurso. No meu caso, fez aumentar a certeza do que já acreditava desejar.

Enfim, para quem não é da área da psi, é uma leitura envolvente e elucidativa deste campo do conhecimento. já para quem se inicia neste campo, é leitura obrigatória, já que consegue em suas 155 páginas e 11 capítulos abordar de forma abrangente os aspectos positivos e outros nem tanto assim da profissão.  Recomendo.






5 comentários:

  1. Adorei a resenha, me lembrei que fiz um amigo secreto uma vez e dei esse livro de presente para um amigo meu que estuda psicologia.....Lembro de ter ficado curiosa pra ler.....beijokas elis

    http://amagiareal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha,
    Um livro bastante interessante.

    ResponderExcluir
  3. Uma amiga minha também me indicou esse livro. Parece ser bom mesmo, vou conferir. rsrs

    ResponderExcluir